[resenha] Tubarão por Peter Benchley


Título original: Jaws
Nº de páginas: 276
Autor: Peter Benchley
Editora: Darkside Books
Publicado em: 2015
Nota: 5/5 (favorito)

adicione no skoob / saiba mais

"Como você pode dizer isso?", disse Hooper. "Aquele peixe é uma beleza. É o tipo de coisa que faz você acreditar em Deus. Te mostra o que a natureza é capaz de fazer quando faz a sério."
Quem nunca assistiu ao clássico filme de Steven Spielberg com a icônica música do ataque do Tubarão? - aqui está a música, caso não se lembre - Depois disso tenho certeza que já brincou de ser esse incrível predador na piscina com os amigos... ou no meu caso, ficou morrendo de medo de ir muito longe da praia e ser arrastado por um deles? Realmente o filme é um clássico que deve ser assistido por todos. 

O que eu não sabia é que o filme era uma adaptação e que havia muito mais história por trás dos ataques e da grande caçada. Ainda bem que a Darkside Books publicou nesse ano novas edições em comemoração aos 40 anos do livro e de sua adaptação cinematográfica, o que me permitiu adquirir a obra e finalmente ter a história original em minhas mãos.

A editora têm o costume de publicar - geralmente - duas edições dos livros: uma em brochura e outra em capa dura. Eu decidi comprar a edição de luxo por ter amado essa capa, que representa bem o que as presas desse peixe têm que enfrentar: dentes serrilhados e uma força descomunal. Mas agora estou tentada a adquirir também a brochura por conter o pôster do filme na capa. 

Em Tubarão conhecemos a cidade de Amity, um balneário de Long Island, que vê sua economia ruir por causa de constantes ataques de um tubarão-branco que decidiu fazer daquele local, sua mesa de jantar. O problema é que a cidade vive um momento de sufoco, com os últimos verões não sendo tão lucrativos quanto o esperado, as autoridades ficam em um dilema entre avisar os riscos para os turistas e a cidade ruir de vez ou confiar que o tubarão vá embora.

Acompanhamos de perto o chefe de polícia, Martin Brody tentando cumprir com o seu dever - proteger a população - e enfrentar as pressões de ser o responsável por comércios estarem fechando as portas. Esse conflito de Brody foi bem explorado pelo autor e nos faz refletir sobre o que faríamos se estivéssemos em seu lugar. Além disso também há os problemas pessoais do personagem, que vive um momento de tensão com sua esposa.

Diferente do filme, o livro nos traz os conflitos políticos e pessoais dos personagens e também descreve um pouco de como uma cidade que sobrevive de turistas lida com situações que estão fora de seu controle, principalmente os animais e o clima. 

Intrigas, traição, máfia e políticos corruptos fazem parte do enredo que Peter Benchley criou. Portanto, para aqueles que desejam ler esse livro, fica minha dica de que estejam preparados para passar muitos capítulos fora d'água e longe dos tubarões. Não que isso tenha me incomodado na leitura, adorei saber mais sobre os personagens e acompanhar certos dramas que eles enfrentam, mas acho válido deixar aqui registrado que o livro não é somente sobre os ataques.

E sobre a descrição dos ataques, não há nenhum ponto negativo. Muito sangue e pedaços saindo das presas, deu quase para visualizar o tubarão estraçalhando as vitimas. O autor ganhou muitos pontos pela narrativa e pela introdução escrita pelo próprio autor em 2005, onde deixa claro que quando escreveu o livro ele não tinha tantas informações sobre esses animais e que hoje ele é ativista lutando para proteger a vida marinha.

Sem dúvidas eu indico a leitura desse livro, caso já tenha assistido ao filme, fique despreocupado pois encontrará muito mais do que é transmitido nas telonas e para aqueles que leram o livro assistam o filme, pois ele não virou um clássico à toa. 

Trailer do filme:

© ATRASADA PARA O CHÁ- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por